Latest Entries »

by Rosana Hermann
 

Não se deixe enganar por essa letrinha com corpinho 1, em Itálico, mostrando meu nome bem pequenininho. É disfarce.

No fundo, meu ego megalomaníaco gostaria que o nome estivesse em letras garrafais, brilhantes, luminosas, em Times Square, Nova York, como aliás, fazem alguns apresentadores de tv nas aberturas de seus próprios programas, em geral, com seus nomes também no título.

 

Se não o faço é mais por medo que por humildade, mais por escrúpulo do que por ética. Eu tenho um ego do tamanho de um bonde, descendo uma ladeira em São Francisco, sem freio e cheio de passageiros.

 

Acredite, é mais fácil montar um touro bravo num rodeio durante oito segundos do que segurar meu ego selvagem no momento em que alguém abre a porteira desavisadamente.

 

A porteira, aliás, acabou de ser aberta. Estou aqui, me segurando, me roendo, sangrando, navegando pela web pra me distrair e não liberar o demônio da

Tazmania por uma bobagem.

 

O pior é que a alegria da platéia é ver o circo pegar fogo e o palhaço se f..der. A simples menção de que estou em ponto de bala para deixar meu ego explodir

faz com que a galera grite ‘pula! pula!’, ‘solta, solta’ e ‘conta!conta!".

 

Sim, porque, assim como a indústria alimentícia e o marketing não colaboram pra que a gente emagreça, o povo não ajuda ninguém a ser generoso e humilde.

Queremos sangue. Gostamos de sangue. A cor, o cheiro, o salgado do sangue nos atrai. Por isso todo mundo diminui a velocidade pra ver um acidente causando outros acidentes e muito congestionamento.

 

O ser humano é carnívoro.

Competimos por espaço há milênios.

E agora, competimos também na web.

 

Competimos, é plural de majestade. Eu compito.

Mesmo que não exista a primeira pessoa do singular do verbo competir. Dane-se. Eu sei o que meu ego indomável quer: re-co-nhe-ci-men-to.

 

O ego quer ser admirado, quer adjetivos elogiosos e exclamações de grata surpresa. Quer muitos clap clap clap, quer ohhhhhhhhh! cheios de agás, quer beijinhos, cutchie cutchie, e muito bem.

 

Aperto na bochecha nenê não quer, nenê não gosta.

 

Ego é bebê. É criança, fedelho, pentelho.

Ego é chato, voraz, desagradável.

Inadequado. Mas está lá. Sempre pronto para clamar por justiça.

 

Mania de ego inflado é se sentir injustiçado.

Passatempo de ego grande é esmagar em nome da lei. É clamar pelo correto quando o razoável resolveria.

 

Ego não samba, não tem jogo de cintura.

Ego não dorme, morre de insônia.

Ego não goza, finge prazer com gemidinhos.

 

Quem tem ego tem problema, ema ema ema.

Por isso peço ajuda, encarecidamente, a todos os que convivem com este monstro na coleira que arrasto pela mão, meu ego alemão, com mussarela italiana, convertido ao judaísmo, trancafiado num corpo pícnico, agarrado a um cérebro atento, medroso e inseguro como uma criança que segura um ursinho.

Minha cabeça é tudo o que meu ego tem pra brincar.

 

E por isso, de vez em quando, meu ego pega meu cérebro e chuta como bola no quintal do coração e marca um gol de mão, que deveria ser anulado.

 

Meu ego e meu cérebro, aliás, vivem em constante disputa e quem perde a partida, sou eu.

Meu cérebro sobe na balança, o ego mente o peso.

Meu cérebro escreve um post, o ego mede as visitas.

Meu cérebro abre a porta, o ego passa primeiro.

No carro, o cérebro dá a partida, o ego acelera.

No vermelho, o cérebro freia, o ego xinga.

 

O cérebro quer se encontrar, o ego se acha.

O cérebro quer um amor, o ego, se masturba.

O cérebro busca a performance, o ego quer a medalha.

O cérebro quer terminar este texto, o ego sopra palavras.

 

Não é por mal, é só doença. Doença da ilusão, de todo ser humano, de querer ser eternamente amado.

Ser continuamente reconhecido.

Infinitamente aplaudido. Em pé.

E, claro, com transmissão simultânea para todo o planeta. Ao vivo.

 

Um beijo, um browser, um aperto de mouse da Rosana Hermann

Anúncios
by Mônica Montone
 

Eis a questão da geração tribalista.

Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, levanta os braços, sorri e dispara: "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também". No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração "tribalista" se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo para reclamar de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição. A maioria não quer ser de ninguém, mas quer que alguém seja seu.

Beijar na boca é bom? Claro que é! Manter-se sem compromisso, viver rodeado de amigos em baladas animadíssimas é legal? Evidente que sim. Mas por que reclamam depois? Será que os grupos tribalistas se esqueceram da velha lição ensinada no colégio, de que "toda ação tem uma reação"? Agir como tribalista tem consequências, boas e ruins, como tudo na vida. Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo – beijar de língua, namorar e não ser de ninguém. Para comer a cereja é preciso comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como: não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa, não se importar se o outro estiver beijando outra, etc, etc, etc.

Embora já saibam namorar, "os tribalistas" não namoram. Ficar também é coisa do passado. A palavra de ordem hoje é "namorix". A pessoa pode ter um, dois e até três namorix ao mesmo tempo. Dificilmente está apaixonada por seus namorix, mas gosta da companhia do outro e de cultivar a ilusão de que não está sozinho. Nessa nova modalidade de relacionamento, ninguém pode se queixar de nada. Caso uma das partes se ausente durante uma semana, a outra deve fingir que nada aconteceu – afinal, não estão namorando. Aliás, quando foi que se estabeleceu que namoro é sinônimo de cobrança?

A nova geração prega liberdade, mas acaba tendo visões unilaterais. Assim como só deseja "a cereja do bolo tribal", enxerga apenas o lado negativo das relações mais sólidas. Desconhece a delícia de assistir um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor. Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer boa noite, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter alguém para amar.

Já dizia o poeta Carlos Drummond de Andrade que "amar se aprende amando" e se seguirmos seu raciocínio, esbarraremos na lição que nos foi transmitida nas décadas passadas: relação é sinônimo de desilusão. O número avassalador de divórcios nos últimos tempos, só veio confirmar essa tese e aqueles que se divorciaram (pais e mães dos adeptos do tribalismo) vendem (na maioria das vezes) a idéia de que casar é um péssimo negócio e que uma relação sólida é sinônimo de frustrações futuras. Talvez seja por isso que pronunciar a palavra "namoro" traga tanto medo e rejeição. No entanto, vivemos em uma época muito diferente daquela em que nossos pais viveram. Hoje podemos optar com maior liberdade e não somos mais obrigados a "comer sal junto até morrer". Não se trata de responsabilizar pais e mães, ou atribuir um significado latente aos acontecimentos vividos e assimilados na infância, pois somos responsáveis por nossas escolhas, assim como o que fazemos com as lições que nos chegam. A questão não é causal, mas quem sabe correlacional.

Podemos aprender amar se relacionando. Trocando experiências, afetos, conflitos e sensações. Não precisamos amar sob os conceitos que nos foram passados. Somos livres para optar. E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém. É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento… É arriscar, pagar para ver e correr atrás da felicidade. É doar e receber, é estar disponível de alma, para que as surpresas da vida possam aparecer. É compartilhar momentos de alegria e buscar tirar proveito até mesmo das coisas ruins.

Ser de todo mundo, não ser de ninguém é o mesmo que não ter ninguém também… É não ser livre para trocar e crescer… É estar fadado ao fracasso emocional e à tão temida solidão.

by Clarice Lispector
 

Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém, que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.

Dificuldades para  fazê-la forte.

Tristeza para fazê-la humana.

E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. 

A felicidade aparece para aqueles que choram.

Para aqueles que se machucam.

Para aqueles que buscam e tentam sempre.

E para aqueles que conhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas. 

O futuro mais brilhante é baseado num passado intensamente vivido.

Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado.

A vida é curta, mais as emoções que podemos deixar duram uma eternidade.

A vida não é de se brincar, porque em um belo dia se morre.

by Carlos Wendell Pozzobon
 

Quando você olhar a sua volta e achar que o mundo todo está perdido por causa das desavenças, das confusões causadas por algumas pessoas.

Quando você olhar a sua volta e achar que não vale a pena viver melhor, que não vale a pena persistir, então é a hora, este é o momento que você deve olhar para dentro de você.

Porque você é uma pessoa muito especial e lembre-se sempre que a sua vida não está lá fora.

A sua vida não depende de todas as coisas negativas que você enxerga e escuta.

A sua vida depende exclusivamente do que está na sua consciência, o mundo que os outros vivem, não é o seu, a menos que você queira contribuir com as confusões externas dos outros.

Quando você olhar a sua volta e só enxergar problemas, busque a sua verdade interior, busque na sua alma, no seu coração, no seu "eu" os valores que já contribuíram para o seu crescimento pessoal.

Expresse o melhor de você, pois o mundo em que você vive é o resultado do que você irradia e manifesta, é o resultado do seu esforço, da sua perseverança, da sua dedicação, da sua persistência, da sua generosidade, da sua nobreza.

Quando você olhar o mundo lá fora e perceber que a descrença está tomando conta da sua alma, do seu coração e você sentir que vai fracassar e isso lhe faz sofrer, então, agora é a hora de renascer internamente. Pare agora de olhar só para fora, pare agora de se alimentar com os problemas, com as confusões e desavenças existentes no mundo lá de fora.

Faça silêncio para que a verdade brote ao natural, olhe profunda e demoradamente para dentro de você, percebendo toda harmonia interna que existe dentro de você, porquanto há um ponto de luz em seu interior que pode iluminar seu caminho.

Que importa se muitos gostam de viver num sistema egoísta e amargo?

Comece agora. Ilumine-se, modifique-se e permita que a paz flua através de você. O esforço próprio é a mola propulsora do verdadeiro crescimento humano; é nele que está a essência da conquista. Não creia no sucesso fácil, na vitória sem trabalho árduo.

Quando você olhar para sua mente vai perceber que ela lhe oferece mil opções.

A minha dica para você: escolha o esforço correto para as conquistas definitivas. Ninguém pode fazer o seu caminho por você. Muito trabalho, concentração, foco nos seus objetivos são as ferramentas e a porta da conquista dos seus objetivos, assim fica mais fácil e mais bonito olhar o mundo lá fora.

Desejos

by Jean Flavio
 

Não espero um Adeus sem volta

Não desejo um beijo sem valor

 

Queria algo mais que uma vida

Eternamente sentir seu calor

 

Anseio por palavras rudes

E voltas cheia de desculpas

 

Desejo tardes de carinho

E fugas juntos pelas ruas

 

Quero poder chorar na despedida

E esperar o telefone tocar

 

Na manhã seguinte te acordar

Te deixar as flores, e te falar das minhas dores

 

Não quero te ver

Quero apenas que esteja comigo

 

Posso não te acompanhar pelo mundo

Mas no meu coração terás um abrigo

 

Quero apenas que me ouça dizer

Que nada mais me importa além de você

"Sempre que houver alternativas tenha cuidado.

Não opte pelo conveniente, pelo confortável, pelo respeitável, pelo socialmente aceitável, pelo honroso.

Opte pelo que faz o seu coração vibrar. Opte pelo que gostaria de fazer, apesar de todas as consequências."

"Para se relacionar plenamente com outro, você precisa primeiro relacionar-se consigo mesmo. Se não conseguirmos abraçar nossa própria solidão, simplesmente usaremos o outro como um escudo contra o isolamento.

Somente quando você consegue viver como a águia sem absolutamente qualquer público, você consegue se voltar para outra pessoa com amor, somente então é capaz de se preocupar com o engrandecimento do outro ser humano…"

"Quando vejo uma mãe perdoar um filho apesar de ele não merecer, quando vejo alguém apostar num amigo quando ninguém mais acredita nele, quando vejo um paciente com câncer acreditar na vida apesar de estar morrendo, ou quando contemplo um mendigo dividir seu pão apesar de não ter qualquer valor para a sociedade.

Eu penso comigo. O mundo ainda tem jeito."

Camila K.
 

Já era tarde. Noite. Madrugada. Não coloco datas porque o que sinto é atemporal.

Eu, que faço questão de mostrar que sou o oposto do que sou. Sinto falta de correr para o colo que se foi, o mesmo que eu nunca soube ao certo a falta que faria.

Ele se foi, minhas angústias ficaram. Ele se foi e eu fiquei sozinha. Eu e meus livros que em vão tentam preencher o meu vazio não sei de quê.

Sinto ânsia em viver e provar a mim mesma que posso e consigo. Ás vezes nem eu me suporto e acabo me afastando tentando me aproximar do mundo injusto que me deram. Escrever tem sido minha fuga. Não sou o que pensam de mim, eu penso, penso demais e falo demais para aqueles que não sabem ouvir.

"Um dia tu vais compreender que não existe nenhuma pessoa totalmente má, nenhuma pessoa completamente boa. Tu vais ver que todos nós somos apenas humanos. E sofrerás muito quando resolveres dizer só aquilo que pensas e fazer só aquilo que gostas. Aí sim, todos te virarão as costas e te acharão mau por não quereres entrar na ciranda deles, compreendes? "